Registros de Helena (ou Ouvindo a Voz do Silêncio)

…e, então, o que dizer
de nosso próprio corpo?
Que, nem sob o desejo,
nós o governamos.

Não dizemos a este “faz!”
e ele faz de bom grado,
Mas se o faz, faz,
porque é obrigado.

Não dizemos a um fígado
“te regenera!”,
ou a um coração “bate!”,
pois nossa intenção
se faz confusa.

Mas há um jeito;
um artifício;
um modo de fazê-lo.
Ainda restam noventa
em sua cabeça.

Está tudo lá,
bem guardado,
todas as coisas,
entre as três torres:
a base no topo do saber.

Publicado do WordPress para Android enquanto “nômadeio” por aí.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s