Sublimação, ou O Calor dos Novos Ventos.

Sãos, meus olhos não podem ver;
Livre, com minhas mãos atadas por sua fé.

E eu digo a mim mesmo: eu não sei quem sou.
E eu digo a mim mesmo: pai! eu não sei quem sou!

Meu Pai disse as palavras, me despertou de um sono profundo, agora as perguntas fazem minha cabeça girar.

Quando a lua fecundar o sol e a antiga estrela submergir, todos me conhecerão, e será que eu também, enfim?

Mas eu digo a mim mesmo: eu não sei quem sou…
E eu digo a mim mesmo: deus, eu não sei quem sou!

Publicado do WordPress para Android enquanto “nômadeio” por aí.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s